Caine Brun'Ulv

Inquiridor dos espíritos.

Description:

Timeskip 1:

Os dias se passaram desde a partida de Thaliost. O outrora “Lobo marrom”, como seu próprio nome de batismo, agora adquiriu tons cinzentos graças à luz dos espíritos ancestrais, e a eles o crédito pelo conhecimento das coisas da natureza e os segredos da existência. Caine estava mais sábio desde lá. Seu dever com Daia superou o de apenas uma dívida de gratidão: a flor da idade e o acaso haviam lhe rendido o primeiro gênito? Os espíritos não precisariam solicitar para que a protegessem, Caine o faria de qualquer forma, mesmo que significasse ir contra a vontade deles. Ela aprendera muito com ele, e ele com ela.
Nora o tratava diferente dos outros, contrastando com seu imenso desprezo por Anton – o pálido. O homem lobo não possuía alinhamento com os sentimentos dela, porém, não achava que o karnathiano era digno de confiança plena. Caine respeitava Leon, acreditava que, apesar de sua pouca utilidade nos combates anteriores, a resiliência havia lhe rendido a simpatia dos espíritos. Baldric aparentava estar transtornado, a luz de Dol Arrah parecia, por vezes, abandonar o paladino: o corpo físico revelara o efeito dos segredos da mente, entretanto era evidente o seu talento para liderar, até lembrava um pouco Ryze no início de suas viagens. Não possuía muito vínculo com Hector, desde o início, mas isso não significa que o respeitasse pouco.

Sumário de ficha:

Caine_4_Sum_rio.jpg

Bio:

**Parte I:
- Seus pais se refugiaram em Merylsward nos últimos anos de guerra, onde receberam asilo do secto druidico dos Moonspeakers, sob a tutela do misterioso Anethalion. A comida era escassa e os tempos difíceis, a maioria dos animais da floresta eram protegidos pelo secto, e seu pai não sabia plantar, a solução foi rumar para as cidades portuárias em busca de um trabalho, foi então que os dois se mudaram para Delethorn;

- Alguns meses depois, seu pai sucumbiu a uma febre e acabou morrendo. Sua mãe, grávida, rumou para o leste onde se assentou nos arredores de Varna. Foi lá que conheceu um velho casal de pecuaristas vassalos da casa Vadaris, que ofereceram-lhe trabalho em troca de um lugar para morar;

- A mãe de Caine acabou morrendo por complicações no parto, mas o casal jurou criá-lo e o fez. Caine recebeu educação humana de qualidade, o que acabou atenuando seu espírito feral, herdado de seus antepassados.

- 17 anos depois, Caine acabou assumindo a fazenda da família, que já muito idosos, não conseguiam mais tocar os negócios;

- Seus pais adotivos morreram e Caine herdou a fazenda, onde continuou trabalhando por mais alguns anos, até receber a visita de um grupo de humanos, que se mostrou interessado na compra das terras. Ao entrar nos dominios, o grupo partiu para cima de Caine, espancando-no até o coma. O grupo ainda ateou fogo na casa e nos estábulos… tudo havia se perdido;

- Muitos dias depois, acordou em um pequeno assentamento em Duskwoods, onde recebeu as boas vindas de um shifter chamado Rize. Ele explicou a situação e o que havia acontecido: aquele grupo de humanos eram uma milícia de seguidores fanáticos da Igreja da Chama Prateada que, sem o aval do alto clero, começou a caçar shifters e outras raças “impuras”, não considerando as determinações vigentes. Chamavam a si próprios de “Redentores”. Rize e seu grupo de caçadores havia seguido os tais “Redentores” por meses, resgatando sobreviventes e tentando achar um jeito de dar um fim à milícia. “Eles nunca atuaram fora de Thrane, porém começaram a rumar para o Oeste, patrocinados por fiéis anônimos mais ortodoxos… foi então que comecei a caçá-los, e por isso vou precisar de toda a ajuda possível…”

- Mesmo sem concordar, havia um sentimento de dívida com o grupo de caçadores que o salvou, Caine aceitou receber treinamento e caçar os homens que arruinaram sua vida;

**Parte II:

- O tempo passou e o grupo de caçadores seguia, pacientemente, aguardando o momento ideal para atacar a milícia e dar um fim à essa cruzada maligna. Os rumores da violência e destruição praticadas pelo grupo misteriosamente se dissipavam, e as notícias morriam rápido;

- Caine começou a mostrar não só habilidades como caçador, como um vínculo com espíritos e entidades místicas. Esses espíritos se tornaram cada vez mais influentes no cotidiano, e não demorou muito até Caine começar a ser visto como uma liderança para o grupo de caçadores, que viam nele uma espécie de “guia”; inclusive alguns mais radicais o consideravam uma espécie messias. Rize naturalmente reconheceu a sabedoria e influência do amigo, e começou a dar mais ouvidos a ele. Caine havia se tornado um homem paciente e pacífico, mas muito habilidoso com seu arco.

- O grupo seguiu a milícia até os arredores de Owl’s Perch, onde conseguiram armar uma emboscada. Infelizmente o ataque deu errado e o líder do grupo, covardemente, fugiu, abandonando seus companheiros, que acabaram entregues em custódia para os druidas da região.

- Rize explicou que não demoraria até que o líder da milícia reunisse mais homens e conseguisse ainda mais apoio, tendo em vista que foi atacado justamente por shifters e selvagens. O grupo concordou em rastrear o fugitivo e caçá-lo.

- Em uma de suas meditações, Caine recebeu a projeção do druida Anethalion. Ele contou sobre seu passado e suas conexões, inclusive o porquê da afinidade de Caine com os espíritos da natureza. Também revelou que o líder da milícia era um homem chamado Savos Narula, um aristocrata excêntrico da cidade de Thaliost, conhecido pelas ideações preconceituosas e violentas contra grupos de minorias. Savos representava uma ameaça iminente não só pelas ideações, mas sim por patrocinar diversas ações de extermínio, além da perseguição de adeptos do druidismo, a qual considerava heresia.

- O bando concordou em viajar à Thrane, sabendo que a cada dia que passasse, a milícia ganharia novos fôlegos e, enquanto Savos não fosse impedido, maior seria a ameaça sobre os druidas e raças “inferiores”.

Caine Brun'Ulv

Aventuras em Eberron ruben_braccini